Barra de menu

Quanto Custa uma Viagem?


Uma dúvida bem comum dentre viajantes é a tradicional “quanto se gasta por dia em uma viagem para...” Para responder a esta pergunta, o texto a seguir traz algumas experiências reais de viagem que mostram o quão acessível pode vir a se tornar aquela sua viagem que andava desacreditada.

Uma das coisas que mais me questionam em relação às viagens que publico aqui no blog é: “quanto você gastou nessa viagem?” Diante de tamanho interesse pelo o tema, só posso concluir que o questionador esteja sondando a viabilidade de realizar algo semelhante.


Não sei exatamente que ideia as pessoas têm em relação ao custo de uma grande viagem, mas já constatei que muitos acabam nem levando adiante seus planos por terem uma concepção errônea de que seja algo inviável. Certo, sabemos que existem viagens e viagens. Do hippie caroneiro ao passageiro daqueles cruzeiros de luxo, muitos são os estilos de viajar. Ao decidir-se por realizar uma viagem, cabe a você determinar suas perspectivas, verificar suas possibilidades e a partir daí, executar o plano que melhor se adapte aos seus interesses.

Quanto se gasta por dia em uma viagem?

Uma das formas mais populares de se realizar o planejamento financeiro de uma viagem é determinar um valor médio global de gastos diários, é o tal do “quanto se gasta por dia em uma viagem para tal lugar” Na verdade, estimar valores costuma ser uma tarefa bastante complicada, tendo em vista as muitas variáveis envolvidas, de tal forma que é mais sensato basear essas informações em experiências reais, sempre que possível.

Pois bem, em meados de 2012 realizei um desejo antigo, o de conhecer a longínqua Amazônia. E quanto será que gastei nessa brincadeira?  Se eu excluir do somatório os custos de uma semana na Venezuela, onde realizei uns passeios mais caros, chegarei à soma de R$ 2.500 em pouco mais de três semanas, incluindo aí absolutamente tudo, do cafezinho com tapioca no boteco às passagens aéreas - que por sinal não paguei, graças ao programa de fidelidade da companhia aérea. Viajei sem qualquer luxo, é verdade, mas também não deixei de explorar as atrações locais e tive ótimas experiências. Em outra viagem de porte semelhante, viajando com minha esposa para o nordeste do Brasil, gastamos juntos cerca de R$ 6.000. Desta vez paguei pelas passagens aéreas (um preço promocional, pelo menos) e ainda alugamos um carro por 3 semanas, o que para os “padrões mochileiros” não deixa de ser um certo luxo.

Portanto, tomando por base minhas próprias experiências, se eu tivesse que informar um único valor que representasse de forma generalizada os custos de uma viagem, minha resposta seria cem reais diários por pessoa. Logicamente, como já foi dito, esse valor pode variar imensamente para menos ou para mais (principalmente para mais) dependendo do lugar visitado, dos seus hábitos como viajante e das oportunidades das quais você eventualmente tenha (ou não) tirado proveito.

Com quantas milhas se faz uma viagem?

E por falar em tirar proveito de oportunidades, aqui está uma das principais: viajar com milhas, mais especificamente, emitir bilhetes de trechos aéreos aproveitando alguma promoção de milhas reduzidas. Por padrão, trechos em território nacional custam 10.000 milhas no programa de fidelidade da companhia aérea, mas não são raras as promoções em que se viaja por 5 mil, 4 mil ou até menos milhas. A grande vantagem está obviamente nos trechos mais longos de viagem, que se fossem comprados custariam o olho da cara, mas com as tais das milhas podem ser vencidos por uma verdadeira pechincha. E foi exatamente por uma pechincha que atravessei o Brasil de ponta a ponta: um bilhete de Porto Alegre a Belém por 4.000 milhas e outro de Boa Vista a Porto Alegre por 5.000 milhas. Considerando os valores normais dessas passagens aéreas, só aí devo ter poupado uns 40% do valor de toda a viagem.

Fica então a dica para tirar bom proveito deste tipo de oportunidade: assine newsletters das cias aéreas e acompanhe o site Melhores Destinos, referência nacional para busca de promoções de passagens aéreas. Mas de antemão, saiba que as melhores promoções costumam ocorrer nos períodos de baixa temporada, de março a maio e de agosto a novembro, portanto, se puder programar suas férias para essas épocas, suas chances de conseguir aproveitar boas promoções aumentam consideravelmente.

Uma cerveja a menos por dia!

E só para constar, lembro-me de já ter visto alguém se lamentando por não conseguir viajar, alegando não poder arcar com os gastos da brincadeira. Mas eis que a pessoa em questão frequenta assiduamente esses lugares onde te cobram 8 reais por uma cerveja. Nada contra, cada um com suas opções, mas assim como quem não quer nada, pegue a calculadora e tente descobrir o impacto desse hábito a longo prazo. Se o boêmio em questão se contiver e beber apenas seis cervejas por semana, em um ano nestas condições ele vai ter desembolsado praticamente todo o dinheiro necessário para sua tão sonhada e inacessível viagem. E olha que eu nem contabilizei a porção de fritas...

Conclusão

Viajar custa dinheiro sim, mas já que hoje em dia não se fala mais em “custo” e qualquer despesa foi promovida ao status de  “investimento”, nada mais justo do que considerar sua viagem como tal. Estimar valores não é tarefa das mais simples, pois muitas são as variáveis envolvidas nos cálculos das despesas. No entanto, com R$ 100 por dia uma pessoa “normal” a princípio consegue fazer uma viagem bastante proveitosa, o que significa que teoricamente você precisará de uns R$ 3.000 para curtir suas férias anuais com o pé na estrada. Então, se o dinheiro estiver contado, não pense logo em abrir mão da sua viagem, apenas faça um bom planejamento de suas despesas e fique atento a promoções e demais oportunidades que possam surgir. Pode até ser que você precise submeter-se a certas privações para alcançar seu objetivo final, mas se as coisas forem feitas de caso pensado, a tendência é que essas privações fiquem bastante diluídas ao longo do ano, a ponto de mal serem percebidas. Já a sua viagem... essa certamente não vai passar despercebida.

Veja outros textos da série Guia do Viajante Independente:

GOSTOU DA POSTAGEM?
Clique nos botões abaixo e contribua para a valorização deste conteúdo. Obrigado pelo apoio!

DEIXE UM COMENTÁRIO!
Suas impressões e opiniões são bem vindas. Veja a política de comentários.

Sobre o Autor:
Robson Dombrosky , engenheiro, motociclista e aventureiro. Um viajante deveras curioso, que sempre percorre seus destinos munido de um bloco de notas e de uma bela câmera fotográfica.

8 comentários :

  1. Robson, dei uma passada rápida para conhecer o blog e adorei. Depois vou ler com mais calma e pegar umas dicas do México. Parabéns pelo o blog!

    ResponderExcluir
  2. tchê! Teu blog é muito bom cara, fácil leitura e muita informação, leve de ler. E tua fotos são fantásticas cara. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Eduardo e volte sempre por aqui!

      Excluir
  3. Meu Prezado20/05/2014 10:51

    Meu Prezado, li rapidamente e adicionei aos Favoritos para ler com calma. Estou pretendendo fazer algumas viagens pelo Brasil e suas dicas serão muito úteis. Os textos estão bem escritos. Sugiro colocar as datas das matérias. Obrigado e parabéns pelo blog!
    Meu Prezado, Recife.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado colega, espero que aproveite bastante o conteúdo. Quanto às datas, creio que este post especificamente seja um dos únicos de todo o blog onde a data de publicação é importante, por isso eu nunca tinha me ocorrido publicar as esses dados. De qualquer forma, vou repensar a questão. A propósito, este texto foi publicado em janeiro de 2013.

      Excluir
  4. Estou super feliz em ter encontrado esse blog. Ano que vem vou fazer uma viagem para o Amazonas e você falou justamente sobre o custo da sua viagem para lá. Vou dar uma pesquisada mais aprofundada no blog. Sucesso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vinda Vivia e desde já aproveite bastante sua viagem à Amazônia!

      Excluir