Barra de menu

Piauí: Turismo nos Sítios Arqueológicos do Brasil

UMA VIAGEM DE CARRO PELO  NORDESTE DO BRASIL - PARTE 04

A partir de Juazeiro do norte, atravessamos o tórrido interior do Ceará até a divisa com o Piauí. No ponto onde cruzaríamos a fronteira, nosso mapa indicava uma faixa de 40 km entre estes dois Estados onde a linha de divisa não estava definida, ou seja, estávamos diante de uma área de litígio. Diante deste fato, fiquei só imaginando como não deveria estar o caminho de ligação entre fronteiras: em terra de ninguém, quem tem estrada boa é rei! Abandonada à própria sorte, a via de terra, areia, pedras e buracos que atravessa este trecho, revelou-se um prato cheio para quem gosta de fortes emoções ao volante. Por conta disto, foi inevitável a sensação de alívio ao encontrarmos o asfalto que iniciava junto à placa de boas vindas ao Piauí. 
divisa ceará piauí área de litígio
Foto 78 – Neste ponto, a fronteira Ceará-Piauí não é das mais movimentadas.
bem vindos ao piauí
Foto 79 - Bem vindos, portanto, ao longínquo Piauí, lar de diversos sítios arqueológicos e alguns notáveis parques nacionais.
DSC_7101_thumb_thumb[1]
Foto 80 – Como por exemplo, o Parque Nacional das Sete Cidades, que abriga formações rochosas de cerca de 190 milhões de anos. 
DSC_7126_thumb_thumb[1]
Foto 81 - As “cidades” do parque, no caso, são sete agrupamentos de rochas que se espalham pela área do lugar.


DSC_7014_thumb_thumb[1]
Foto 82 - Na primeira “cidade” que visitamos, demos logo de cara com uma tal  “pedra da tartaruga”.



DSC_7012_thumb_thumb[1]
Foto 83 - Enquanto me aproximava, cheguei mesmo a pensar que essas formas hexagonais na superfície tinham sido fabricadas por alguém. 

pedra do elefante no parque das sete cidades
Foto 84 - Ao longo dos anos, os formatos das pedras foram despertando o imaginário popular, passando a receber nomes de acordo com as figuras que faziam lembrar. Esta, por exemplo, é a pedra do elefante. Compreensível.


DSC_7133_thumb_thumb[1]
Foto 85 - Nesta, vemos três macacos, um por cima do outro.


parque das sete cidades - pedra da serpente
Foto 86 - Uma serpente

DSC_7080_thumb_thumb[1]
Foto 87 - Abaixo da cabeça da serpente, à esquerda, Alexia e a nossa guia me aguardavam à sombra.


DSC_7067_thumb_thumb[1]
Foto 88 - Mas nem só de pedra são feitos os representantes da fauna local.



calango do nordeste
Foto 89 - Um calango do nordeste


DSC_7043_thumb_thumb[1]
Foto 90 - Para a posteridade, o registro da presença do bicho-homem, curiosamente com uma mão de seis dedos. Seriam ET´s os nossos ancestrais?


DSC_7029_thumb_thumb[1]
Foto 91 - As pinturas rupestres do parque, com cerca de 6.000 anos de idade, são internacionalmente conhecidas. Só não sei dizer por quantas pessoas, até por que, para fazer valer o título, basta que um gringo as conheça.



DSC_7137_thumb_thumb[1]
Foto 92 - Vejamos... Ah sim! Os três reis magos. Essa foi fácil.


pedra dedo de Deus parque das sete cidades
Foto 93 - O dedo (calejado) de Deus.


DSC_7027_thumb_thumb[1]
Foto 94 - Arco do Triunfo Piauiense.



DSC_7026_thumb_thumb[1]
Foto 95 - Por baixo dele não passa nenhuma Chans Elise, mas sim uma estradinha de terra cujo acesso de veículos foi proibido para que a vibração não danifique a rocha.



Foto 96 - As formações estão sempre recebendo nomes adicionais, à medida que a imaginação dos visitantes vai tomando forma.

DSC_7136_thumb_thumb[1]
Foto 97 – Talvez seja o sol implacável sobre a cabeça dos visitantes um dos responsáveis pela quantidade de visões de objetos e criaturas que as pessoas têm ao contemplarem as pedras do parque. 


DSC_7066_thumb_thumb[1]
Foto 98 – Não devo ter tomado sol suficiente na cabeça, pois não consegui pensar em nenhum nome para este.
DSC_7058_thumb_thumb[1]
Foto 99 - Em cada grupo de rochas, a erosão parece ter agido de uma forma diferente.
DSC_7055_thumb_thumb[1]
Foto 100 - As rochas são de um tipo poroso, o que favoreceu a preservação das inscrições rupestres.


cacto
Foto 101 - Um filhote de cacto, bastante comum nesta zona de transição entre cerrado e caatinga.


DSC_6989_thumb_thumb[1]
Foto 102 – Quando entramos no Piauí, onde o calor parece brotar de todos os lados, não esperávamos encontrar nenhuma Meca do turismo nacional. No entanto, mesmo sem ser o the must dos guias de viagem, esse pedaço do Brasil estava mostrando um grande potencial para produzir belas imagens.
GOSTOU DA POSTAGEM?
Clique nos botões abaixo e contribua para a valorização deste conteúdo. Obrigado pelo apoio!

DEIXE UM COMENTÁRIO!
Suas impressões e opiniões são bem vindas. Veja a política de comentários.

Sobre o Autor:
Robson Dombrosky , engenheiro, motociclista e aventureiro. Um viajante deveras curioso, que sempre percorre seus destinos munido de um bloco de notas e de uma bela câmera fotográfica.

4 comentários :

  1. é, uma zona muito interessante esta do Piauí. valeu o esforço para chegar até lá!

    ResponderExcluir
  2. No Piauí há uma frutinha cujo doce que é feito por lá é delicioso, chama-se buriti. Gostei da foto 94, abs, NIlson

    ResponderExcluir
  3. Na foto 87 dá até para ver o olho da serpente. O artista da foto 90 provavelmente era portador de polidactilia.
    Um abração,
    Rosa

    ResponderExcluir
  4. que otima essas imagens no piaui

    ResponderExcluir