Barra de menu

Olinda, Frevo e Cultura

UMA VIAGEM DE CARRO PELO  NORDESTE DO BRASIL - PARTE 14

Para encerrar com chave de ouro nossa estadia em Recife, depois do passeio da véspera na praia de Porto de Galinhas, tomamos um ônibus até a cidade de Olinda, vizinha da capital Pernambucana. Na tarde daquele mesmo dia estaríamos voando de volta a Porto Alegre, então ainda dispúnhamos de algumas horas para irmos conhecer o centro histórico da cidade.

faculdade de olinda
Foto 359 – Aqui estamos em Olinda, uma das mais bem preservadas cidades coloniais do Brasil, declarada Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela UNESCO, ainda em 1982.
recife vista a partir de olinda
Foto 360 - Segundo o mito popular, o nome Olinda tem sua origem a partir da exclamação de um nobre Português, que chegando ao local da futura cidade teria dito: "Oh, linda situação para se construir uma vila!"
casas coloridas olinda
Foto 361 - E a tal da vila foi então construída, sendo fundada como povoado em 1535, o que faz dela uma das mais antigas cidades brasileiras.
ladeira da misericordia em olinda
Foto 362 - A cidade tem um traçado irregular, moldado segundo as curvas e desníveis do terreno sobre o qual foi edificada.
DSC_8321
Foto 363 - Marca registrada de Olinda são suas igrejas, numerosas e antiquíssimas, ao menos para os padrões brasileiros.
DSC_8329
Foto 364 – E muitas delas, ricamente decoradas com o ouro abundante do Brasil colônia.
Igreja Nossa Senhora do Carmo em olinda
Foto 365 - Igreja Nossa Senhora do Carmo, de 1535, que já deve ter tido dias mais reluzentes.
DSC_8420
Foto 366 – Hoje muitas das edificações primam bastante pelo contato direto com a terra e com o verde.
centro histórico de olinda
Foto 367 - No centro histórico, não só o verde, mas toda uma paleta de cores está presente.
DSC_8388
Foto 368 - A área histórica, de pouco menos de 2 km2, demonstra ares de elevada riqueza cultural.
DSC_8386
Foto 369 - Em cada esquina uma surpresa, um atelier e uns artesanatos.
DSC_8354
Foto 370 – Aliás, ricos artesanatos.
DSC_8406
Foto 371 - Peças que convidam o viajante ao excesso de bagagem.
bonecos de olinda
Foto 372 – É durante o típico e famoso carnaval de Olinda que estes bonecos gigantes ganham as ruas da cidade, sempre ao som dos ritmos pernambucanos “frevo” e “maracatu”.
DSC_8379
Foto 373 – Como era setembro, os sorridentes bonecos estavam desse jeito, adormecidos e de mãos estendidas às contribuições dos visitantes.
bonecos de olinda 2
Foto 374 - Os bonecos são criados segundo temas variados.
DSC_8370
Foto 375 - Mas na maioria das vezes, representam personagens com alguma característica local.
DSC_8372
Foto 376 - Ou às vezes, nem tanto.
DSC_8376
Foto 377 - Aí estou eu, posando de motorista de boneco de Olinda.
DSC_8365
Foto 378 – Logo após, um “motorista” habilitado assumiu o posto e deu vida à elegante senhorita de azul.
Foto 379 - Tivemos também demonstrações de frevo, realizada por esta exímia dançarina.
ladeira da misericordia no centro histórico de olinda
Foto 380 – Seguindo com o passeio pelo centro histórico, tínhamos à frente a renomada Ladeira da Misericórdia.

DSC_8332
Foto 381 - A subida não chega a ser um martírio e lá de cima voltamos a enxergar Recife, distante apenas 6 km de Olinda.
DSC_8425
Foto 382 - Hoje colorida e preservada, Olinda já foi palco de disputas. Tomada e incendiada por holandeses em 1630, só foi reconquistada pelos portugueses em 1654.
DSC_8401
Foto 383 - No alto da Ladeira da Misericórdia está a Igreja de mesmo nome, fundada em 1540. A igreja foi restaurada em 1654 após ter sido incendiada pelos holandeses.
DSC_8400
Foto 384 - “Aqui, no adro desta igreja, o Capitão André Pereira Temudo, seguido de um punhado de bravos pernambucanos, sacrificou heroicamente a sua vida, para vingar os ultrajes que faziam a pátria e a religião os criminosos invasores holandeses em 1630”
Igreja Nossa Senhora das Neves olinda
Foto 385 - Igreja Nossa Senhora das Neves, de 1585, primeira sede de um estabelecimento franciscano no Brasil. Também foi incendiada pelos holandeses e posteriormente reconstruída.
DSC_8385
Foto 386 - Nos tempos áureos da cidade, seus sobrados eram ricamente construídos. As dobradiças das portas, por exemplo, eram de bronze.
DSC_8409
Foto 387 - Nas igrejas, eram comuns as dobradiças de prata e chaves fundidas em ouro.
DSC_8347
Foto 388 - Hoje talvez já não exista tanto luxo, mas Olinda permanece linda.
DSC_8344
Foto 389 - Trouxemos de lá belas imagens. Suas ruas estreitas e suas fachadas de traços portugueses vão ficar na memória. Isso pra não falar de uma das melhores tapiocas de toda a viagem, que comemos na barraquinha de uma senhora lá no alto da ladeira da Misericórdia.


Esta foi a penúltima parte do relato “Um giro pelo nordeste brasileiro”. Na próxima postagem, com o encerramento desta inesquecível viagem, um resumo em imagens das nossas experiências ao longo daqueles 20 dias percorrendo esse belo pedaço do nosso Brasilzão.
GOSTOU DA POSTAGEM?
Clique nos botões abaixo e contribua para a valorização deste conteúdo. Obrigado pelo apoio!

DEIXE UM COMENTÁRIO!
Suas impressões e opiniões são bem vindas. Veja a política de comentários.

Sobre o Autor:
Robson Dombrosky , engenheiro, motociclista e aventureiro. Um viajante deveras curioso, que sempre percorre seus destinos munido de um bloco de notas e de uma bela câmera fotográfica.

2 comentários :

  1. Ufa, ainda bem que essa viagem tá acabando. Tem mais duas na lista de espera!!! :))

    ResponderExcluir
  2. O LINDA, OLINDA! BEAUTIFUUUULLLL !

    ResponderExcluir