Barra de menu

Vulcão à Vista em Pucon

VIAGEM DE MOTO À PATAGÔNIA - PARTE 2


A partir da Região dos Lagos, na Argentina, a viagem segue um pouco mais para o norte, para a fronteira com o Chile através do passo Tromen. O destino é a cidade de Pucón que, apesar do tamanho acanhado, apresenta uma infra-estrutura turística bastante desenvolvida, mais ou menos como Bariloche. O jeito de cidade de montanha e a presença de um dos vulcões mais ativos do Chile é responsável por atrair visitantes de diversas partes do mundo. Mas por que será que estes gigantes chamam para si a atenção de tantos viajantes?


Foto 031 – Vulcões, geologicamente falando, são as estruturas pelas quais as profundezas da Terra se comunicam com a superfície. Apesar de produzirem belos cartões postrais, sejamos gratos pelo fato do Brasil não possuir nada parecido.
Foto 032 – O mesmo não pode ser dito de um certo país que novamente integra meu roteiro.  Através de uma  estrada de cascalho e em meio a um bosque de araucárias no Parque Nacional Villarrica, entro no lar sul-americano dos vulcões: “Usted esta em Chile, bienvenido”.  

Foto 033 – Sempre atento ao já surrado mapa de bordo, sigo pela estradinha que passa muito próxima ao vulcão Lanín, bem ali na região da fronteira. O céu encoberto, no entanto, só me permite avistar a base das suas encostas.

Foto 034 – Na cidade de Pucón, localizada à sombra do vulcão Villarrica, existe um curioso semáforo de atividades sísmicas. Se a coisa ficar preta, ele emite um alerta à população: Pessoal, “derramou o caldo”!

Foto 035 – É tudo muito didático:
Sinal verde: apenas uma fumacinha, uns ruídos subterrâneos e uma catinga de ovo podre provocada pela presença de enxofre no ar;
Sinal amalelo: pequenos tremores de terra e umas explosões eventuais;
Sinal vermelho: larga de ser curioso e se manda daqui, criatura!

Foto 036 – E trate de correr para o lugar certo! É por alí!

Foto 037 – Aí está o culpado, o vulcão Villarrica, fumando seu cigarrinho matinal para mostrar que está vivo.

Foto 038 – Sempre que penso em vulcões (o que não é tão frequente assim, convenhamos) me vem à cabeça o Vesúvio, que na sua mais famosa erupção sepultou a cidade de Pompéia há uns dois mil anos. Apesar de estarem associados a desastres naturais, impossível negar a beleza impressionante desses marmanjos.

Foto 039 – Justamente por isso fico com vontade de chegar mais perto.

Foto 040 – Logicamente não me animei a escalar o Villarrica, mas avancei com a moto até ela começar a atolar no material depositado durante a última erupção.

Foto 041 – A grandiosidade das montanhas é capaz de despertar em certas pessoas um incessante desejo de vencê-las, mesmo que para isso tenham que enfrentar situações extremas e, em alguns casos, risco de morte.

Foto 042 – Este é o vulcão Osorno, um pouco mais ao sul do Villarrica.

Foto 043 – Que me convenceu a tomar um desvio para uma estrada asfaltada (oba!) que terminava não muito longe do cone nevado. 

Foto 044 – Mas antes disso foi necessário percorrer um bom trecho de estrada de chão, à beira do lago Llanquihue. Deve-se ir devagar, o que está longe de ser um incômodo, pois o visual é belíssimo.

Foto 045 – Agora sim. Uma subida íngreme em estrada asfaltada e com diversos mirantes. Só lembrando aos desavisados: nada de banguela!

Foto 046 – Olha o Llanquihue lá! 

Foto 047 – No final da estrada existe uma estação de teleféricos, que em 25 minutos leva preguiçosos e apressados até bem perto do cume. Aconselha-se o porte de bons casacos.

Foto 048 – Lá no alto. Com mais uns 15 minutos de caminhada chega-se à neve, sempre presente, mesmo durante o verão. Quando pus os pés nela, a bateria da minha câmera resolveu morrer de frio. O pateta aqui tinha deixado a reserva lá em baixo...

Foto 049 – Não importa. Não seria este pequeno contratempo que impediria meu contágio pela euforia de ter estado lá.

Foto 050 – Sejam sempre bons meninos e descansem em paz, nos presenteando com lindas paisagens sem causarem estragos por aí!

GOSTOU DA POSTAGEM?
Clique nos botões abaixo e contribua para a valorização deste conteúdo. Obrigado pelo apoio!

DEIXE UM COMENTÁRIO!
Suas impressões e opiniões são bem vindas. Veja a política de comentários.

Sobre o Autor:
Robson Dombrosky , engenheiro, motociclista e aventureiro. Um viajante deveras curioso, que sempre percorre seus destinos munido de um bloco de notas e de uma bela câmera fotográfica.

13 comentários :

  1. Uau! Emocionante a narrativa e as fotos! Dá vontade de ver o que acontece quando o semáforo fica vermelho... Será que o povo se comporta como morador de favela em tiroteio? (ou seja, nada que não faça parte da rotina do dia-a-dia...)

    ResponderExcluir
  2. Maravilhoso passeio. Conheço de leve o Chile, mas nada que se compare a esse passeio....
    abs,

    ResponderExcluir
  3. gostei da foto 38

    ResponderExcluir
  4. conheço alguns destes lugares, mas estas tuas fotos são de dar inveja até em quem já passou por lá.
    beijo!

    ResponderExcluir
  5. Mariana (prima)12/03/2009 11:51

    As fotos são maravilhosas, mas em comunhão com os comentários, ficam excepcionais! Ri bastante aqui.

    ResponderExcluir
  6. Robson, parabéns pelas fotos, além do equipamento tu tens um olhar muito bom para detalhes, estão realmente muito bonitas as imagens que registraste. Estou em Punta Arenas agora, depois de 10 dias de camping resolvemos pegar um hostalzinho pra fugir do frio (e de quebra, esse wi-fi banda ancha!) Sigo acompanhando teus relatos.
    Um abraço,
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  7. Oi Robson, gostaria de te pedir ajuda.
    Vou em julho para O Chile irei a Pucon.
    Tenho algumas dúvidas:
    Estarei de carro.
    Como é a estrada, nessa época? Vc obteve alguma informação?
    Como é o acesso ao teleférico?
    O meu objetivo, não é esquiar, nem escalar.
    Como vi suas fotos, achei sua experiência muito bacana.
    Aguardo retorno.
    Abraços,
    Mônica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mônica,a qual teleférico você se refere? As fotos 40, 41 e 49 são do teleférico do vulcão Villarica, em Pucón. Não andei nesse, cheguei só até o local das fotos. Na época a estrada era de chão, mas relativamente tranquila. Já a 47 mostra o teleférico do Vulcão Osorno, onde embarquei até bem perto do topo. O acesso até lá é uma ladeira asfaltada. Em junho deve ser época de seca (e de frio!)então você não deve encontrar maiores dificuldades. Abraço e desde já boa viagem!

      Excluir
  8. Ei Robson.
    Me referi ao teleférico do Vulcão Vilarricca.
    Eu queria saber se a estrada do Parque Villaricca ao centro de esqui é boa. O acesso ao teleférico é na estação de esqui.
    Muito obrigada pelo retorno.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Belissimas fotos e comentarios com uma pontinha de humor, adorei!

    ResponderExcluir
  10. Bom dia Robson e parabens pela viajem e pelo relato nuito bem feito. Meu nome e Denny sou de Minas Gerais e estou me programando para realizar uma viajem a Patagonia de moto no ano que vem.
    Voce poderia me indicar uma fontes de pesquisa e referncias?

    Obrigado .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Denny. Bem, quando estou pesquisando e montando meu roteiro normalmente vou digitando as palavras chave daquilo que estou querendo saber no próprio google e ele se encarrega de me apresentar os sites com as informações mais relevantes, (ele é muito bom nisso) tudo depende do que exatamente você está querendo verificar. De qualquer forma, dois sites muito completos e confiáveis são o www.viajenaviagem e o www.melhoresdestinos.com.

      Excluir